Notícias

Pastor Adventista ex Realizada em acusações de crime de guerra Agora Released

January 05, 1998

Laredo, Texas ... [ANN] Ex-Adventista do Sétimo Dia Elizaphan Ntakirutimana pastor preso em setembro de 1996, foi lançado em 17 de dezembro de 1997, por um magistrado federal em Laredo, Texas, EUA Ntakirutimana, agora com 73 anos, foi detido para responder acusações de genocídio em Ruanda, em 1994, feita por um tribunal da ONU em Arusha, na Tanzânia.

Juiz determinou que Marcel Notzon Ntakirutimana não poderia ser extraditado porque a jurisdição do tribunal da ONU não foi reconhecida por causa da ausência de um tratado.

A Reuters reportagem cita o juiz, dizendo que o caso contra o Ntakirutimana era fraco e cheio de irregularidades legais, e que "a possibilidade de imprecisão ou incredibilidade nas declarações de testemunhas é alto."

Advogado do Ntakirutimana, Ramsey Clark, ex-procurador geral dos EUA, disse que as acusações contra seu cliente são falsas e motivadas por vingança.

"Ele é um homem que em toda a sua vida nunca teve qualquer acusação de violência contra ele, mas porque ele é um Hutu e em uma posição de poder, os tutsis estão dizendo que ele é culpado de genocídio," Clark disse à Associated Press em julho passado.

O pré-lançamento de Natal decisão foi bem recebida pela família e amigos do ex-pastor. Filho de Ntakirutimana Elieli é um médico que trabalham na área Laredo.

No entanto, os EUA do Departamento de Estado expressou desapontamento com o lançamento, chamando-o de "um assunto sério" e indicou que pode buscar outros procedimentos legais. Um porta-voz das Nações Unidas indicaram que teria gostado de ver Ntakirutimana entregue desde o tribunal tinha encontrado motivos para indiciá-lo.

A posição da Igreja Adventista do Sétimo Dia permanece inalterado. Falando no momento de sua prisão, Emmanuel Nlo Nlo, diretor de comunicação da Igreja Divisão África-Oceano Índico, deixou claro que a Igreja Adventista condena a violência e também que a culpa deve ser provada.

"A Igreja Adventista do Sétimo Dia não suporta matar de qualquer forma", disse Nlo Nlo. "Nós não temos nenhuma maneira de saber se Elizaphan Ntakirutimana é culpado ou não. Nós apoiamos a iniciativa das Nações Unidas e do governo de Ruanda para trazer à justiça aqueles que são responsáveis ​​por essas atividades ilegais na crise daquele país."

Falando hoje na sede da Igreja Mundial, em Silver Spring, Lowell Cooper, Secretário Adjunto confirmou a posição da denominação.

"Rejeitamos a violência em todas as formas e ficaram horrorizados com os massacres que ocorreram em Ruanda, em 1994", disse Cooper. "Muitos adventistas do sétimo dia perderam suas vidas na violência étnica, que, infelizmente, ainda é um fator hoje. A Igreja é solidária de todas as tentativas para trazer a unidade e cura para Ruanda, e é ativa em ajuda humanitária e programas de reconciliação. Quanto ao Pastor Ntakirutimana, nossa posição é que uma pessoa é inocente até ser provado culpado ". [Jonathan Gallagher]

Voltar para a lista