Notícias

25 anos de atividade médico-missionária da equipe do Hospital Adventista de Sydney, Austrália

25 anos de atividade médico-missionária da equipe do Hospital Adventista de Sydney, Austrália

O Dr. Neil Orford posa com uma sorridente Ophelia após a de cirurgia cardíaca recente da garota de 12 anos. Ophelia está entre as dezenas de pacientes sem serviços médicos adequados que receberam cirurgias salvadoras de vida de uma equipe de médicos voluntários coordenada pelo Hospital Adventista de Sydney. [fotos de cortesia de Operação Voluntários de Coração Aberto]

Dezenas de operações realizadas durante recente viagem da "Operação Voluntários de Coração Aberto" em Fiji

November 29, 2011 | Silver Spring, Maryland, United States | Elizabeth Lechleitner/ANN

Quatro "angustiantes" horas após ser submetida a uma complicada cirurgia de válvula cardíaca, Ophelia, de 12 anos de idade, sorri novamente.

O entusiasmo no post do blog do Dr. Neil Orford após a recuperação de Ophelia é palpável. O cirurgião de um hospital fora de Melbourne faz parte de uma equipe de médicos voluntários coordenada pelo Hospital Adventista de Sydney, Austrália, que recentemente propiciaram cirurgias para dezenas de pacientes carentes em Fiji.

"Mesmo com meus 20 anos de experiência de cuidados intensivos, não posso deixar de me sentir surpreso com o que acontece com a Operação Voluntários de Coração Aberto", diz Orford.

Desde o seu lançamento há 25 anos, as equipes da Operação Voluntários de Coração Aberto realizaram 2.100 cirurgias em 12 países em desenvolvimento no Sul do Pacífico, Sudeste Asiático e África.

"É muito especial ser parte de uma equipe que pode ir num avião e prover cirurgia e cuidados médicos tão complexos, e ter essa recompensa maravilhosa como de crianças como Ophelia, com a obtenção de novas válvulas cardíacas e nova vida que ela não teria recebido por outros meios", diz Orford.

Os pacientes da Operação Voluntários de Coração Aberto não iriam sobreviver por muito tempo sem os cuidados propiciados. Suas famílias não podem pagar por uma cirurgia ou vivem em áreas remotas onde cuidados médicos especializados não existem. Muitas crianças nascem com defeitos cardíacos, tais como Ophelia.

O projeto começou em 1986, depois que uma enfermeira de cuidados intensivos do Hospital Adventista de Sydney visitou Tonga e observou a falta fundamental de tratamento cardíaco. Ela explorou a possibilidade de tais pacientes serem conduzidos em voo para a Austrália para cirurgias que lhes salvassem a vida, mas concluiu-se que saia mais barato levar uma equipe de voluntários médicos para tais regiões.

Nos últimos anos, o projeto se expandiu para incluir outras cirurgias muitas vezes não disponíveis, que vão desde a reconstrução de fenda palatina e reparo de queimaduras, às mais recentes cirurgias do olho. Ao darem treinamento a pessoal médico local quanto a diagnóstico e tratamento, a equipe de voluntários ajuda os hospitais e clínicas a avançarem rumo à auto-suficiência.

"A declaração de missão [do Hospital Adventista de Sydney] é 'Cristianismo em Ação', e eu pessoalmente acredito que esta é uma das melhores maneiras pelas quais podemos realmente mostrar isso, nessa resposta e doação de nosso tempo para fazer coisas para as pessoas que simplesmente não podem ter acesso a esse tipo de cirurgia", disse Michael Were, administrador de Alcance Missionário do Hospital Adventista de Sydney.

Vários voluntários de longa data têm recebido reconhecimento nacional por seus esforços. Dois voluntários para Fiji foram agraciados com a "Ordem de Fiji" e mais oito receberam a comenda, "Ordem de Longu" do governo de Papua-Nova Guiné.

A próxima viagem da Operação de Voluntários de Coração Aberto está prevista para o início do próximo ano em Mianmar.

Voltar para a lista