Notícias

'Associação' auto-sustentável da Igreja em Cingapura enfatiza recrutamento

Share |
'Associação' auto-sustentável da Igreja em Cingapura enfatiza recrutamento

O presidente da Associação de Cingapura, Johnny Kan, à direita, revisa detalhes de última hora com os participantes do culto de adoração a se seguir, no sábado, 2 de junho, na Igreja Adventista do Jurong. [fotos por Ansel Oliver]

Apenas um punhado de candidatos da nova geração

June 08, 2012 | Singapore | Ansel Oliver/ANN

Chuen Rong está pensando em se tornar um pastor, por isso no mês passado, a fim de obter perspectiva, o jovem de 19 anos se reuniu com a maioria dos pastores adventistas do 7o. dia em tempo integral no país. Aqui em Cingapura, isso significa cinco.

Essa pequena nação do sudeste asiático tem nove ministros adventistas em tempo integral  pastoreando cerca de 2.800 membros. Chuen é um do pequeno punhado de candidatos oficiais da Igreja a quem se pretende dar treinamento na esperança de que continuem procurando uma carreira no ministério.

Historicamente, tem sido um desafio para a Igreja em Cingapura empregar um número suficiente de funcionários. No ano passado, a denominação aqui se tornou uma entidade auto-suficiente, e os líderes dizem que a transição poderia ter acontecido ainda mais cedo se mais pessoal estivesse a postos.

Para que uma unidade denominacional faça a transição da condição de "missão" para "associação" auto-sustentável deve demonstrar estabilidade em duas áreas: liderança e finanças. A última é um problema menor nesta moderna cidade-estado situada na extremidade sul da Península Malaia, onde a renda per capita média é de 59.711 dólares, a terceira maior no mundo, segundo o Fundo Monetário Internacional.

Mas a questão de funcionários reteve o processo, retardando a liderança até apenas dois anos atrás para receber o aval da denominação para solicitar ao governo de Cingapura a condição de entidade auto-sustentável. Os dirigentes esperam recrutar e treinar futuros candidatos pastorais a fim de que esse problema seja coisa do passado.

“Precisamos trabalhar duro no recrutamento de jovens”, declarou o presidente da Associação de Cingapura, Johnny Kan.

O desafio é encontrar candidatos que sejam fluentes em inglês e chinês mandarim, a língua falada por muitos dos membros mais idosos. Dos 5,3 milhões de pessoas no país, cerca de três quartos são de descendência chinesa.

Chuen disse estar bastante certo de que vai seguir uma carreira no ministério. Logo irá entrar em dois anos de serviço nacional obrigatório -- conhecido como recrutamento -- antes de provavelmente dirigir-se à Universidade Internacional da Ásia-Pacífico, na Tailândia, para estudar Teologia. "Sinto que Deus está me guiando", disse Chuen. "Mas você deve estar comprometido. É um chamado vitalício, então quero tomar uma boa decisão e, é claro, com muita oração".

Outro candidato é James Tham, consultor de gestão na Austrália, agora estudando no Seminário Teológico Adventista nos Estados Unidos. Os planos desse estudante, de 31 anos de idade, é voltar à sua nativa Cingapura para trabalhar como pastor, com enfoque em envolvimento dos leigos.

Kan disse que o recrutamento funciona melhor quando os pastores atuais pessoalmente treinam alguns jovens. "Deve haver uma relação muito pessoal", explicou.

Essa não é uma modalidade que ele apenas determina aos pastores das igrejas locais, mas ele próprio pratica, bem como todo o restante do pessoal da Associação de Cingapura. Em Cingapura, os oficiais da associação e diretores de departamentos também ajudam a ministrar em congregações locais, algo que Kan deseja que ocorresse em mais partes do mundo. "Eles não perdem o contato com o que seria a experiência de um pastor local", comentou Kan.

A história da introdução da Igreja Adventista em Cingapura é nebulosa. A mensagem adventista chegou aqui por volta de 1890, provavelmente com o primeiro missionário adventista na Ásia, Abram La Rue, de acordo com a 'Enciclopédia Adventista'.

Hoje é a única unidade auto-sustentável da denominação na União Missão do Sudeste Asiático, composta por sete países. Cingapura, com meros 432 quilômetros quadrados, tem uma das economias mais prósperas do mundo e é uma potência no comércio global. As igrejas adventistas atraem muitos visitantes estrangeiros e, às vezes, um funcionário de um navio de carga atracado no porto.

Kan disse que o evangelismo aqui pode ser difícil em meio a uma sociedade rica, composta em cerca de 40 por cento por budista, 15 por cento por muçulmanos e 15 por cento por cristãos. Para servir à comunidade, a Igreja opera um lar de idosos, um centro de reabilitação para acidentes vasculares-cerebrais, duas escolas, bem como uma estação de rádio que transmite em quatro línguas.

Apesar de Cingapura ter um dos ambientes mais favoráveis para negócios do mundo, tem normas rígidas sobre outros aspectos da sociedade, tais como jogar lixo, transporte e linguagem. Gomas de mascar são proibidas e a sua posse acarreta em multa de centenas de dólares. Para conter o tráfego, o governo impõe um imposto de cerca de  71.000 dólares para se ter o privilégio de possuir um carro. E difamar outras religiões não é tolerado, algo que Kan disse não lhe importar.

"Isso é realmente uma coisa boa para nossos pastores, pois exige que preguem sobre por que uma pessoa deve ser uma adventista do sétimo dia", disse Kan.

Periodicamente, os líderes encontram uma oportunidade para motivar os candidatos. O ex-presidente da missão, Danson Ng, disse uma vez numa reunião da comissão executiva que Christian Choo estava considerando se tornar pastor pondo um pouco de pressão sobre ele publicamente.

Choo, um conselheiro de escola de 28 anos de idade, disse que ele não se importava. Não muito, de qualquer maneira. Ele obteve a sua licenciatura em Psicologia com a expectativa no fundo de sua mente de um dia poder tornar-se um pastor.

No sábado, na Igreja Adventista de Jurong, ocorreu a Choo que falar à Rede Adventista de Notícias poderia fortalecer essa expectativa ainda mais. "Oh, veja só, agora o mundo inteiro vai saber que eu estou pensando em me tornar um pastor?", brincou.

Voltar para a lista