Notícias

Ruguri diz que desaprova o projeto de lei em Uganda contra os homossexuais

Share |
Ruguri diz que desaprova o projeto de lei em Uganda contra os homossexuais

Blasius Ruguri. [foto de arquivo da ANN]

Informações da imprensa insinuavam que ele apoiaria o projeto que poderia acarretar em pena de prisão a homossexuais

December 21, 2012 | Silver Spring, Maryland, United States | ANN staff

Comentários recentes no jornal ugandense 'New Vision' atribuía ao presidente da Igreja Adventista na África Centro-Oriental um quadro inexato das suas intenções ou da posição votada pela Igreja com relação à homossexualidade, disseram dirigentes da Igreja.

O artigo desse periódico afirmava que o pastor Blasius Ruguri apoiava plenamente a legislação proposta junto ao Parlamento de Uganda que poderia incluir prisão ou mesmo execução em resultado de contatos íntimos entre pessoas do mesmo sexo.

Em resposta a esses rumores, o pastor Ruguri declarou hoje: "É lamentável que a mídia haja tomado a liberdade de estender minhas declarações para indicar o que eu não disse nem deixei implícito. Nunca vi esse projeto de lei. Fiz uma declaração geral de desaprovação à prática e comportamento dos homossexuais. Nossa igreja é um ministério de misericórdia, e como ministro da Igreja Adventista do Sétimo Dia, não posso condenar homossexuais à morte ou ao inferno”.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia se pauta pelo ensino bíblico que diz que a prática da homossexualidade é condenada e proibida por Deus, esclareceram oficiais da Igreja. Ao mesmo tempo, a Igreja se opõe fortemente a qualquer ato de violência, ódio ou discriminação contra uma pessoa por causa de sua orientação sexual.

Uma declaração oficial da Igreja sobre a homossexualidade, que foi revisada em 17 de outubro de 2012, diz que a Igreja Adventista do Sétimo Dia "reconhece que cada ser humano tem valor aos olhos de Deus", e enfatiza que "Jesus afirmou a dignidade de todos os seres humanos ", e que os membros da Igreja devem" esforçar-se por seguir as instruções e exemplo do Senhor, vivendo uma vida de compaixão e lealdade semelhante à de Cristo”.

Voltar para a lista