Notícias

Adventistas, parte da resposta ao desastre do colapso de uma fábrica em Bangladesh

Adventistas, parte da resposta ao desastre do colapso de uma fábrica em Bangladesh

As equipes de resgate trabalham no sábado, 27 de abril, para recuperar os sobreviventes do colapso da fábrica em Savar, Bangladesh. Trabalhadores adventistas usavam uniformes alaranjados [fotos por Flabian Shaikat Sikder]

Jovens treinados foram os alguns dos primeiros na cena, resgatados quatro sobreviventes

April 30, 2013 | Savar, Bangladesh | Benjamin Raksham/BAUM/ANN

Os adventistas do sétimo dia foram alguns dos primeiros a responderem a um colapso do edifício de uma fábrica comercial em Savar, Bangladesh, que atraiu a atenção da mídia internacional e provocou debates sobre normas de construção.



Dez jovens adventistas treinados em preparação para terremotos e situações potenciais de colapso de edifícios foram alguns dos primeiros a comparecer ao local após o colapso na quarta-feira, 24 de abril, e ajudaram a remover 30 vítimas, quatro das quais ainda com vida.

Outro grupo de 125 jovens adventistas foi para o local do desastre, no sábado, 27 de abril, para ajudar as equipes de resgate. O grupo ajudou a recuperar três mulheres, bem como vários corpos. Também forneceram água e comida para os sobreviventes.

O prédio comercial de oito andares é conhecido como Rana Plaza e está localizado a aproximadamente 45 km da capital nacional, Dhaka.

O edifício abrigava cinco fábricas de confecções, linhas de produção, bancos e centenas de lojas. Estima-se que 3.500 pessoas estavam no prédio no momento do colapso, na maioria operários do sexo feminino com idades inferiores a 25 anos. Até o momento, cerca de 400 corpos foram recuperados e 2.444 pessoas feridas foram resgatadas, mas centenas ainda estão desaparecidas.

A ADRA Bangladesh também respondeu prontamente, fornecendo tanques de oxigênio, máscaras, lanternas, martelos, pás e outras ferramentas como assistência preliminar. Segundo o diretor Serpa Santana Landerson, a ADRA Bangladesh está planejando doar dinheiro para o Fundo de Socorro do primeiro-ministro, após aprovação da comissão ser recebida.



Durante uma reunião noturna da Juventude Adventista em 26 de abril, os jovens espontaneamente recolheram aproximadamente 160 dólares para as vítimas.
          
Relatórios confirmam que pelo menos um adventista, um rapaz chamado Bitu Baroi, que estava trabalhando numa das fábricas de vestuário, ainda está desaparecido. Sua mãe trabalha na Pollywog, uma indústria de artesanato com patrocínio adventista localizada nos terrenos da União Missão Bangladesh da IASD.

A área do sinistro fica a cerca de 20 quilômetros do escritório da União.

A indústria de vestuário é importante fonte de moeda estrangeira em Bangladesh e a maior indústria do país. Bangladesh é o segundo maior país exportador de vestuário no mundo depois da China. Há mais de 5.000 dessas fábricas em Bangladesh, principalmente nas regiões de Dhaka e Chittagong. E esse número inclui somente fábricas registradas junto à Associação de Fabricantes e Exportadores de Vestuário de Bangladesh. Existem centenas de outras que não estão sob o guarda-chuva de tal entidade.

Há cerca de seis milhões de operários, a maioria mulheres, empregados diretamente nessa indústria.

Voltar para a lista