Notícias

Em El Salvador, o programa de alfabetização Adventista traz novas oportunidades para milhares

Em El Salvador, o programa de alfabetização Adventista traz novas oportunidades para milhares

Angelica Pania, à esquerda, Coordenadora Nacional de Alfabetização do Ministério da Educação, em El Salvador, entrega um dos milhares de certificado de conclusão de alfabetização numa cerimônia recente em San Salvador. Pania declarou que os adventistas são os “principais parceiros” do país no combate ao analfabetismo naquele país da América Central. [fotos: Luis Pedro Menendez ]

930 igrejas locais deverão servir como centros comunitários de alfabetização em 2014

February 07, 2014 | Soyapango, San Salvador, El Salvador | equipe Gustavo Menendez/IAD staff/ANN

Um programa de alfabetização coordenado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia em El Salvador reduziu o índice de analfabetismo do país de 17 para 13 por cento, segundo autoridades, concedendo novas oportunidades para milhares de pessoas e reforçando a influência e a unidade da Igreja na América Central.

Mais de 2.500 alunos receberam certificados de conclusão de alfabetização numa cerimônia recente em San Salvador, tornando-a a maior graduação em um único evento realizada na Divisão Inter-Americana da IASD.

Angelica Pania, Coordenadora Nacional de Alfabetização do Ministério da Educação naquele país da América Central, aplaudiu os esforços da Igreja Adventista, seus voluntários em El Salvador e Esperança para a Humanidade, um ministério humanitário dirigido pela Divisão Norte-Americana da Igreja Adventista. “Não tenho palavras para expressar a nossa gratidão em nome do Ministério da Educação em El Salvador . . . porque [a IASD] é nossa principal parceira no processo de erradicação do analfabetismo no país”, disse ela.

O Ministério da Educação fornece materiais, treinamento e um processo de certificação para os voluntários do programa de alfabetização.

Num discurso, Maitland DiPinto, da Esperança para a Humanidade, agradeceu as centenas de voluntários que monitoram os graduados. “Estou muito impressionado com o empenho de voluntários que investem mais de duas horas por dia, quatro vezes por semana, oito meses por ano e, em seguida, recomeçam o ciclo no ano seguinte para ajudar a transformar vidas”, disse ele.

De acordo com a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA), em El Salvador, mais de 6.000 pessoas receberam o certificado por meio de cerca de 650 círculos de alfabetização no país. O programa é composto por 520 voluntários.

Juan Pablo Ventura, diretor da ADRA El Salvador, disse que o programa é uma oportunidade de fazer parceria com a Igreja Adventista e ampliar o papel que a ADRA desempenha na comunidade. “A ADRA não é apenas uma agência que vem em auxílio quando ocorre um desastre, mas pode ser vista como uma organização que capacita a Igreja Adventista no cumprimento de sua responsabilidade social”, disse ele.

O programa está expandindo a influência da Igreja Adventista em El Salvador, também. “Esse tipo de serviço à comunidade nos permitiu estabelecer laços e fazer-nos conhecidos junto a comunidades, órgãos governamentais e entidades privadas, como pessoas que se importam com seus semelhantes”, disse Abel Pacheco, presidente da União Missão de El Salvador, da denominação.

Entre os que se formaram através do programa de alfabetização está Fermin Requeno, prefeito do distrito municipal San Juan de la Reyna, no estado de São Miguel. “Saber ler e escrever mudou a minha vida”, disse Requeno. O prefeito é agora um promotor destacado da educação em sua comunidade. 

Outra graduada, Elena Gonzalez, de 70 anos, trabalha numa lavanderia de um centro médico no distrito do município de Apopa e estava entre as 22 pessoas que participaram do círculo de alfabetização ali. “Minha família era muito pobre e não pude obter uma educação”, contou ela. “Sentia-me tão mal toda vez que ia ao banco para descontar um cheque, porque não sabia escrever o meu nome, então decidi fazer um esforço para aprender a ler e escrever”.

A erradicação do analfabetismo em toda América Central é uma prioridade da Igreja na região, disse Wally Amundson, diretor da ADRA para a Igreja na América Central. Embora as estatísticas variem de país para país, Guatemala, Nicarágua e Honduras viram suas taxas de analfabetismo diminuir significativamente, disse Amudson. “Queremos explorar todas as possibilidades para atingir a população analfabeta dentro da Igreja, bem como na comunidade”, disse ele.

Até o momento, a Esperança para a Humanidade tem financiado programas de alfabetização em nove países da América Central. Entre os 3,6 milhões de membros da Igreja na DIA, estima-se que existem centenas de milhares de membros da Igreja que não sabem ler ou escrever. “A alfabetização é um desafio na Igreja Adventista na América Central e em outras partes do mundo”, disse DiPinto.  “Nós dizemos que somos ‘o povo da Palavra’, mas há milhões de membros da Igreja no mundo que não sabem ler suas Bíblias ou lições da Escola Sabatina”.

Cada graduado no recente evento de San Salvador recebeu uma nova Bíblia--a oportunidade de pôr em prática novas habilidades e ao mesmo tempo aprender sobre Deus. A Divisão Inter-Americana quer implementar mais programas de alfabetização baseados na Igreja, disse Amundson.

“Estes programas de alfabetização conduzidos pela iniciativa e participação dos membros da Igreja tornam a iniciativa bem-sucedida porque existe uma infra-estrutura disponível para reunir vários ministérios da Igreja formando grupos de voluntários”, disse ele.

Pacheco, o presidente adventista local, disse que a Igreja em El Salvador estabeleceu a meta para 2014 de ter cada uma das 930 igrejas adventistas do país começando a servir como círculo comunitário de alfabetização. Até agora, os círculos de alfabetização em El Salvador têm 175 facilitadores, que se reúnem com seus alunos em casas e igrejas.

Voltar para a lista