Notícias

Recordação: Devidamente trajada, Hoshino representou a co-fundadora da Igreja Adventista, E. G. White

Share |
Recordação: Devidamente trajada, Hoshino representou a co-fundadora da Igreja Adventista, E. G. White

Por causa de sua semelhança com Ellen White, Rita Hoshino representou a co-fundadora da Igreja Adventista em inúmeros eventos. Hoshino morreu no início deste mês aos 58 anos. [foto: Pat Wick ]

Ela representava em reuniões campais e eventos de aniversário da IASD

February 21, 2014 | Silver Spring, Maryland, Estados Unidos | Ansel Oliver/ANN

Os adventistas do sétimo dia de todo o mundo tinha sua foto tirada com Rita Hoshino representando Ellen G. White, co-fundadora da denominação, que morreu em 1915.

Em seus últimos anos, a ex-universitária e membro do pessoal de ensino médio era uma apresentadora de E. G. White, que escreveu prolificamente e a quem a Igreja Adventista considera um profetisa do século 19.

Hoshino, que morreu em 10 de fevereiro com a idade de 58 anos por complicações de doença renal e pneumonia, viu o seu ministério incipiente decolar após sua aparição de 2010, no salão de exposições da Assembléia da Associação Geral em Atlanta. Sua apresentação ali foi patrocinada por Ministérios da Herança Adventista (AHM) e em outros eventos em todo o país, incluindo reuniões campais, eventos de jovens e aniversários de instituições denominacionais.

Como muitos apresentadores, ela pesquisou seu personagem e contava histórias na primeira pessoa. “Suas histórias eram tão bem apresentadas”, disse Thomas Neslund, presidente da AHM. “Eu não poderia arcar com isso, mas teria apreciado contratá-la em tempo integral. Apreciei a sua dedicação à causa”.

Ela podia viajar com pouca antecedência de ser chamada para contar histórias de White escrevendo o seu livro decisivo, “O Grande Conflito” no verso de anúncios descartados de chapéu para poupar dinheiro em papel, ou sobre a ocasião em que White comprou um velho cavalo chamado Charlie. Hoshino acabou comprando um traje substituto após o seu traje regular não retornar a tempo da lavanderia.

Segundo o seu site, o objetivo da Hoshino era o de apontar as pessoas “não a Ellen White, mas a Jesus a Quem ela tanto amava”.

“Ela levava sua interpretação de Ellen White muito a sério”, disse a amiga de longa data, Michelle Mesnard, que atuou como diretora de Relações Públicas do Colégio União do Pacífico (PUC). “Ela não representava uma versão idealizada ou caricaturada de Ellen White. Ela queria que as pessoas vissem o seu lado humano”.

Rita Sue Hoshino nasceu em 1955, tendo sido adotada por uma família no Tennessee. Sua mãe biológica era branca e seu pai biológico era chinês-havaiano, o que lhe deu as características faciais semelhantes à ícone Adventista que ela viria a representar. 

A família se mudou para o estado da Califórnia, no oeste dos EUA, onde ela se formou pela Mountain View Academy e PUC. Quando adolescente, uma vez que ela representou uma jovem branca num evento para a editora Pacific Press Publishing Association, onde seu pai trabalhava.

No PUC ela se formou em artes e era conhecida por seu humor. Como presidente da classe, ela liderou o processional da graduação a partir do ginásio, de patins, uma atitude controvertida, em 1979.

Ela trabalhou para o PUC tornando-se decana-assistente de alunos, um trabalho que realizou por 23 anos antes de aceitar um cargo na Mountain View Academy. Ela também foi promotora e agente de reservas para músicos cristãos.

Amigos disseram que ela tinha quase uma memória fotográfica, o que lhe rendeu o apelido de “Rita Rolodex” por sua capacidade de lembrar as pessoas e intrincados detalhes sobre suas famílias. Como apresentadora ela poderia citar White ao improvisar, às vezes ao ouvir alguma declaração inesperada de uma colega de apresentação. 

“Os jovens adultos, especialmente, adoravam perceber o seu bom-humor e sagacidade, porque se você ler Tiago e Ellen, eles tinham um senso de humor”, disse Dennis Farley, um pastor que apresenta o personagem do marido de Ellen White, Tiago.

Em 2010, o duo fazia uma apresentação na dedicação da Fazenda Hiram Edson, no Estado de Nova York, depois de apresentar-se numa congregação adventista em Rochester mais cedo naquele dia. Cada um deles tomou carros separados até a fazenda, com Hoshino permanecendo nos seus trajes para a condução do veículo. 

“Eu desejaria ter tido uma câmera”, Farley recordou da viagem de 50 km. “Eu olhava pelo espelho retrovisor e lá estava Ellen White dirigindo o carro atrás de mim”.

Voltar para a lista