Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

ANN Análise de Notícias: Os adventistas e "A Paixão de Cristo"

"A Paixão de Cristo", um filme EUA US $ 30 milhões contando a história das últimas 12 horas da vida e da morte de Jesus de Nazaré, já provocou um debate mundial sobre os acontecimentos e seu significado.

ANN Análise de Notícias: Os adventistas e "A Paixão de Cristo"

O ator Jim Caviezel, que faz o papel de Jesus de Nazaré no filme “A Paixão de Cristo”, é submetido a uma entrevista durante uma conferência de imprensa em Charlotte, Carolina do Norte, EUA. [Foto por Mark A. Kellner]

Magnifying Glass View Larger

"A Paixão de Cristo", um filme EUA US $ 30 milhões contando a história das últimas 12 horas da vida e da morte de Jesus de Nazaré, já provocou um debate mundial sobre os acontecimentos e seu significado.


"A Paixão de Cristo", um filme EUA US $ 30 milhões contando a história das últimas 12 horas da vida e da morte de Jesus de Nazaré, já provocou um debate mundial sobre os acontecimentos e seu significado. O filme, co-escrito, produzido, financiado e dirigido pelo ator Mel Gibson, abre na América do Norte em 25 de fevereiro, com um lançamento na Grã-Bretanha um mês depois. Outros exames em todo o mundo devem seguir.

O filme provocou polêmica sobre a forma como ele retrata os líderes religiosos judeus da época de Jesus, os homens que agitada para a Sua crucificação. Alguns têm ridicularizado o retrato como anti-semitas, enquanto outros, como o rabino Daniel Lapin, crítico de cinema Michael Medved e Gibson se dizer que o filme não guarda essa intenção.

Vários Adventista do Sétimo Dia diretores ministério de mídia, assim como este repórter, foram capazes de ver o filme durante uma, fevereiro 16 privadas de triagem no 61 º convenção National Religious Broadcasters, em Charlotte, North Carolina. Fazíamos parte de um público de cerca de 3.000 pessoas se reuniram em um salão de festas centro de convenções. Como o filme de duas horas concluiu perto da meia-noite, o silêncio tomou conta da multidão, uma vez que saíram: para além de algumas orando silenciosamente em seus lugares, não havia conversa ou algazarra de qualquer tipo. A natureza, gráfico intensa do filme e seu impacto conversa normal, impedido por vários minutos.

"Durante esta exibição privada de 'A Paixão', que foram sobrecarregados com o impacto, [e] não só para nós", disse o Pastor Lonnie Melashenko, orador / diretor de A Voz da Profecia, um rádio e ministério adventista de televisão com sede em Simi Valley, Califórnia.

"Foi uma exibição profundamente espiritual, incrivelmente precisas. Gostaria de encorajar as pessoas envolvidas no esforço Sow 1 Bilhão de sair para os cinemas e oferecer os folhetos de publicidade dos estudos Descubra Bíblia "para aqueles mostras de sair do filme, disse ele.

Melashenko acrescentou: "Este filme irá proporcionar muitas oportunidades de testemunhar. É quase providencial que aparece durante o "Ano do Evangelismo" para a nossa igreja e da campanha de 1 bilhão Sow ".

Pastor John Lomacang, da Igreja Adventista do Sétimo Dia Thompsonville em Illinois, também participou da convenção NRB e ao rastreio privado. Ele disse que a mensagem subjacente do filme que mais o impressionou.

"O ponto mais forte para mim foi que Jesus foi ferido pelas nossas transgressões", disse ele na manhã após a exibição. "Se [Mel Gibson] estava com o objetivo de descrever com precisão o sofrimento de Jesus, ele conseguiu."

Enquanto ele poderia ter queria ver uma maior ênfase na ressurreição de Jesus, Lomacang disse que tal virar um "poderia ter apagado de nossas mentes o sofrimento" do Nazareno.

Ele também observou efeito do filme sobre a sua audiência: "Foi a saída mais tranquila de um filme que eu já experimentei."

Embora o efeito do filme sobre o público é esperado para abrir novas oportunidades para o evangelismo, deve adventistas dash para fora para cinemas? Não sem considerar as origens do filme, diz o Dr. Angel Manuel Rodríguez, diretor do Instituto de Pesquisa Bíblica da Igreja.

"Tenha em mente que esta é uma produção de Hollywood," Dr. Rodríguez, que ainda não tenha visto o filme, disse à ANN. "O produtor pode ser sincero, mas há outras questões. Além disso, [Gibson] tem seus próprios pontos de vista teológicos ", acrescentou.

No entanto, acrescentou, "não há nada errado em ir ver um filme sobre Jesus. Se ele é tão leal quanto ela pode ser a história do Evangelho, não há nada de errado com assistindo. Teremos de ver como este filme é intensa, como é fiel ao texto bíblico. "

Enquanto Gibson, um "tradicionalista" católico romano que pessoalmente rejeita muitas das mudanças instituídas pelo Concílio Vaticano II, disse que se baseou a história dos relatos dos Evangelhos, ele também admite que as visões de duas freiras católicas, Anne Catherine Emmerich da França e Maria da Espanha de Agreda, influenciado seu roteiro. Em uma entrevista com David Neff, editor-chefe da revista Christianity Today, Gibson disse que "o filme é tão Marian", no tratamento de Maria, a mãe de Jesus.

Tais elementos podem ser estranhos para muitos espectadores. Dr. Rodríguez diz que, em geral, o filme vai "colocar Jesus de volta para a consciência social do mundo ocidental. De repente as pessoas estão falando sobre a morte de Jesus eo que significa. "

Dick Duerksen, diretor de desenvolvimento espiritual no Florida Hospital, também viu o filme numa sessão privada.

"Eu não acho que as pessoas devem ir ver o filme, a menos que eles acreditam que a Cruz é o ponto de inflexão da eternidade", disse Duerksen ANN. "Eles vão perder a coisa toda."

"O que mais me impressionou sobre o filme é o som da platéia, 10 minutos de filme, o choro começou e todo o resto do filme, havia muitas pessoas chorando, lamentando, confessar os pecados, pedir perdão, e louvando Deus por Sua graça, "Duerksen acrescentou. "Foi apenas sobrecarregar o modo como as pessoas responderam."

Prevendo que o filme vai "tornar-se um assunto de conversa" em agências do Hospital da Flórida, Duerksen disse que os ingressos foram comprados por 50 de seus capelães, para prepará-los para as discussões com os pacientes e outros.