Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

Romênia: Adventistas lançam "Caravana da Liberdade" para defender a liberdade religiosa

Romênia: Adventistas lançam "Caravana da Liberdade" para defender a liberdade religiosa

Os defensores da liberdade de seis grupos religiosos, juntamente com oficiais do governo, reuniram-se em Lugoj (Romênia), no mês passado, como parte da "Caravana da Liberdade 2013", uma iniciativa para promover uma maior compreensão da necessidade de liberdade de consciência. O grupo reuniu-se com delegações e falou perante alunos universitários em mais de vinte cidades. [fotos de cortesia da RUC]

Magnifying Glass View Larger

Num momento em que os legisladores romenos consideram mudanças na constituição nacional, a Igreja Adventista do Sétimo Dia está patrocinando uma promoção maciça de liberdade religiosa com uma maratona de reuniões nos municípios, conferências nas universidades e consultas interreligiosas.



Neste país da Europa Oriental, onde mais de 85 por cento da população se identifica com a fé ortodoxa, os adventistas estão à procura de audiências-chave para promover a importância da liberdade religiosa. Neste mês, a chamada "Caravana da Liberdade 2013", com especialistas e advogados da Igreja, levaram a cabo eventos que se realizaram em mais de vinte cidades.

"Apesar de a Romênia ter dado passos importantes para promover a liberdade religiosa, devemos permanecer vigilantes para garantir que os princípios da liberdade religiosa permaneçam intocados", disse Nelu Burcea, diretor de Relações Públicas e Liberdade Religiosa para a Igreja Adventista da Associação União Romena.

As principais mudanças na Constituição poderiam incluir uma revisão do papel do presidente e do método do primeiro-ministro nomear o presidente.

No entanto, alguns ativistas estão pedindo que a Igreja Ortodoxa seja considerada a religião nacional. Embora os especialistas digam que é muito provável que esta proposta não se transforme em lei, até 1923 a Constituição da Romênia mencionava a Igreja Ortodoxa como Igreja oficial do país. Várias tentativas ao longo dos anos para restaurar essa Igreja como religião do estado foram rejeitadas pelo parlamento.

Os relatórios de mídia indicam que um referendo nacional sobre mudanças constitucionais não acontecerá até o próximo outono.

"Agora estamos analisando cada proposta e acompanhando a situação, a fim de responder imediata e adequadamente, se necessário", disse Burcea.

Numa parada durante a iniciativa da caravana, na Faculdade de Direito da Universidade de Craiova, representantes da Associação Internacional de Liberdade Religiosa apresentaram o mais recente "Fides et Libertas", da organização, traduzido para o romeno. O livro é uma coletânea de artigos escritos por especialistas que promovem a compreensão mútua entre as diferentes religiões do mundo.

Por dois anos, o livro esteve na vanguarda dos esforços de liberdade religiosa da Igreja Adventista, e foi apresentado em universidades e bibliotecas.



Alguns participantes da iniciativa disseram que o país poderia fortalecer ainda mais a liberdade de consciência com futuras alterações constitucionais, e apelaram para que o país faça valer a liberdade de crença de todas as religiões.

"A Romênia deve considerar seriamente a introdução de uma lei abrangente que garanta a liberdade religiosa como direito a todas as pessoas, todas as denominações, para que nenhuma Igreja tenha menos privilégios", disse Greg Hamilton, presidente da Associação de Liberdade Religiosa do Noroeste dos Estados Unidos, com sede em Ridgefield (Estado de Washington).

A Romênia tem cerca de 21 milhões de habitantes, e a Igreja Adventista tem cerca de 67.000 membros.

A Romênia tem uma das maiores penetrações das transmissões da Igreja Adventista através da subsidiária do Canal Hope de TV, chamado ali de Speranta TV, que pode ser vista em cerca de oitenta por cento dos domicílios do país. A Rádio Adventista também está amplamente disponível em todo o país.

A Associação Internacional de Liberdade Religiosa pretende realizar uma conferência sobre "liberdade de consciência", em junho, coincidindo com o lançamento de uma “Publicação para a liberdade de consciência", um livro de oitocentas páginas com a participação de especialistas jurídicos e políticos do país. Esta publicação, Burcea disse, é a primeira tentativa abrangente de origem local buscando enfatizar a liberdade de crença e religião a partir de diversas perspectivas.