Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

Seis principais considerações para a escolha de um cidade para sediar a Assembleia da Associação Geral

Exigências da Comissão Executiva para local das reuniões limita alternativas

Seis principais considerações para a escolha de um cidade para sediar a Assembleia da Associação Geral

A assembléia da Associação Geral de 2015 será realizada no Alamodome, acima, e o Centro de Convenções Henry B. Gonzalez, adjacente, em San Antonio, Texas, EUA. [Foto por Billy Hathorn via Wikimedia Commons]

Magnifying Glass View Larger

Exigências da Comissão Executiva para local das reuniões limita alternativas


Os líderes da Igreja Adventista do Sétimo Dia e pessoal de apoio na sede da denominação estão se preparando para a próxima 60a Assembleia da Associação Geral, uma reunião de caráter administrativo e espiritual global de 10 dias. Os preparativos para a Assembleia, que nas últimas décadas tem sido realizada a cada cinco anos, invariavelmente envolvem responder uma pergunta frequente:
 
“Por que parece que a Assembleia é sempre realizada nos Estados Unidos?”
 
Resposta breve: porque geralmente é.
 
A resposta mais longa envolve inúmeros fatores na escolha de um local para a Assembleia.
 
De fato, a Assembleia de 2015 será realizada nos Estados Unidos. Cerca de 2.600 delegados votantes e dezenas de milhares de visitantes devem se reunir em San Antonio, no estado do Texas. E é verdade, a Assembleia foi realizada fora dos EUA apenas três vezes: Viena, Áustria, em 1975; Utrecht, Holanda, em 1995; e Toronto, no Canadá, em 2000.
 
A Assembleia da Associação Geral é um dos maiores eventos religiosos do mundo, e as autoridades de turismo da cidade deve fazer sua promoção com mais de uma década de antecedência. A escolha final é feita pela Comissão Executiva da denominação, composta por 330 líderes da Igreja de todo o mundo.
 
Numa entrevista, o gerente da Assembleia, George Egwakhe, que é um tesoureiro-associado da Igreja Adventista a nível mundial, compartilhou as exigências da Comissão Executiva para a escolha de um local que sedie a Assembleia. 
 
1. Assentos na parte interna para 70.000 pessoas. Cerca de 2.600 delegados discutirão e votarão sobre itens das reuniões administrativas a cada manhã e tarde. Mas à noite, multidões se apresentam, segundo duas ou três das 13 Divisões mundiais têm sua vez de apresentar os resultados da sua atuação evangelística no seu território ao longo dos últimos cinco anos. As assembléias são agora geralmente realizadas num estádio de futebol ou beisebol. O local geralmente enche até alcançar quase máxima capacidade em ambos os sábados da Assembléia para o culto sabático. De vez em quando fala-se em redução do tamanho da Assembleia—o que poderia abrir a possibilidade de que se realize numa variedade maior de países, mas não é provável que isso aconteça em breve. A Assembleia de 2020 já está definida para o Lucas Oil Stadium, em Indianápolis, Indiana, Estados Unidos.
 
2. Um centro de convenções ao lado. Somente essa exigência limita severamente o número de locais potenciais de cidades por todo o mundo que sediem o evento. Embora muitas cidades importantes tenham um estádio coberto adequado, muito poucas têm um centro de convenções nas proximidades. “Mesmo nos Estados Unidos, temos um número limitado de cidades que podem acomodar as nossas necessidades por causa dessa exigência”, diz Egwakhe. Além de reuniões administrativas, a Assembleia é também um encontro espiritual e uma feira global de ministérios. Organizações denominacionais e ministérios e organizações de apoio montam estandes no centro de convenções, e tornam-se um lugar para redes de contato e exibição de novos recursos. Durante todo o dia, milhares de visitantes visualizam ministérios inovadores, novos produtos e usos de tecnologia para a missão da Igreja. Com frequência, ajudam a missão da Igreja Adventista em seu próprio canto do mundo, levando para casa novas ideias para o ministério e difusão do evangelho.
 
3. Acomodações. Os delegados da assembleia precisam de hotéis acessíveis perto do local das reuniões. Com 10 dias seguidos de reuniões durante todo o dia, os delegados visitantes de terras distantes, afetados ainda pelo ‘jet lag’, não podem se dar ao luxo de viajar longas distâncias pela cidade ou vindos de outra cidade toda manhã e à noite para realizar o seu trabalho.
 
4. Os custos de viagens aéreas. “Voos para os Estados Unidos são relativamente menos caros para a maioria dos delegados do que ao viajarem de sua região para outra parte do mundo”, diz Egwakhe. A Europa pode ser uma opção de viagem viável, mas, novamente, não tem uma cidade que atenda ao requisito no. 2. Além disso, na sua maioria, os funcionários de apoio da Assembleia são baseados nos EUA, o que reduz os custos globais de viagem para um grande bloco de participantes.
 
5. Pessoal local fluente em inglês. O inglês é a língua administrativa oficial da Igreja Adventista a nível mundial. Portanto, o pessoal de apoio do estádio deve ser capaz de conversar com os líderes adventistas em uma miríade de questões---desde “Gostaríamos de receber uma oferta de seu local para realizar a Assembleia”, até, “Desculpe-me, onde fica o balcão de informações?”
 
6. Vistos. De acordo com o Relatório Estatístico de 2014, a Igreja Adventista opera em 215 países. Com essa ampla reunião familiar tão diversificada, é importante manter o encontro num país que seja acessível ao maior número de pessoas possível. “Os Estados Unidos são um país muito aberto na concessão de vistos de visitantes para muita gente pelo mundo”, diz Egwakhe.
 
Para mais informações sobre a Assembleia da AG de 2015, visite o website 2015.gcsession.org.