Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

Igreja Adventista assinala o Dia Internacional da Paz da ONU, 21 de setembro

Ao meio-dia, momento de silêncio e oração

Igreja Adventista assinala o Dia Internacional da Paz da ONU, 21 de setembro

Ao meio-dia, momento de silêncio e oração


Os líderes da Igreja Adventista do Sétimo Dia estão convidando membros a aderirem ao Dia Internacional da Paz, das Nações Unidas, no domingo, 21 de setembro, respondendo a um pedido por um minuto de silêncio com oração, ao meio-dia.
 
Em comentários preparados para o dia especial, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon exortou as pessoas a refletirem sobre a paz. “Temos que apagar o fogo do extremismo e combater as causas profundas dos conflitos. A paz é um longo caminho que devemos percorrer juntos, passo a passo, a partir de hoje”.
 
A Igreja Adventista tem promovido esforços de paz desde a sua criação. Em sua declaração mais recente sobre a paz, lançada em 2002, a Igreja reconheceu que “Jesus quer que Seus seguidores sejam pacificadores na sociedade e, daí os chama de bem-aventurados”.
 
John Graz, diretor do departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista, disse: “A paz duradoura não pode ser construída sem desenvolver a educação, saúde, justiça e liberdade para todos os povos. É por isso que a Igreja Adventista tem investido fortemente em escolas, hospitais e organizações que promovem a liberdade de consciência”.
 
Graz descreveu o Dia Internacional da Paz como um “tempo para fortalecer os ideais de paz, e para celebrar aqueles que dedicam suas vidas à construção da paz”.
 
Homer Trecartin, presidente da União do Norte da África e Oriente Médio, da Igreja, disse: “Eu acredito mais do que nunca que a verdadeira paz virá quando estivermos dispostos a seguir o exemplo de Jesus e sofrer injustamente, sem retaliação ou vingança”.
 
Guillermo Biaggi, presidente da Divisão Euro-Asiática da denominação disse que a paz é algo difícil de conseguir e fácil de perder. “Precisamos baseá-la num fundamento permanente e inabalável, mais forte do que as palavras, tratados e acordos humanos. Para que a paz se torne realidade em nossas vidas e sociedades modernas, precisamos orar fervorosamente ao Senhor e contar com Aquele que disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.