Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

A Igreja Adventista na África do Sul responde a ataques xenófobos

Líderes da região África Meridional-Oceano Índico expressaram a preocupação da Igreja com ataques contra estrangeiros

A Igreja Adventista na África do Sul responde a ataques xenófobos

Mapa da África do Sul. Foto de cortesia de iStock.

Magnifying Glass View Larger

Líderes da região África Meridional-Oceano Índico expressaram a preocupação da Igreja com ataques contra estrangeiros


Paul Charles, diretor de comunicação da Divisão África Meridional-Índico da Igreja Adventista do Sétimo Dia, emitiu a seguinte declaração em resposta aos ataques em curso contra estrangeiros que vivem na África do Sul:

“A Igreja Adventista do Sétimo na região da África Meridional-Oceano Índico está indignada com os recentes ataques xenófobos contra estrangeiros na África do Sul. Não há nenhuma razão justificável para justificar a violência e preconceito sem sentido que são uma vergonha para uma nova e livre África do Sul democrática. Abraçar a verdadeira liberdade significa renunciar a um espírito de dominação, abuso ou violência contra pessoas. Sem reservas, nossa liderança de quase 3,5 milhões de membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia na África Meridional condena todos esses atos de violência e ódio horrendos e sem sentido que também afetou os membros de nossa Igreja”.

O Presidente da União Associação da África do Sul, Tankiso Letseli, emitiu a seguinte declaração: “A Igreja Adventista do Sétimo Dia na África do Sul mobilizou a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais da África do Sul, a Refeições Sobre Rodas e os Serviços à Comunidade (MOWCS) da África do Sul como uma forma de intervir. Nós identificamos pessoas que foram deslocadas pela violência xenófoba. Atualmente a MOWCS África do Sul, juntamente com o escritório da MOWCS da Associação Estadual de Natal (KNFC), está na área fornecendo suprimentos de comida e outros auxílios para nada menos do que 1.500 pessoas diariamente na área de Durban. No momento, estamos fornecendo refeições cozidas nas áreas de Chatsworth e Chesterville. O Pastor C. M. Nhlapo, presidente da Associação Estadual Kwazulu, juntamente com sua equipe, estão trabalhando com a MOWCS KNFC para incursões em áreas afetadas por outras intervenções. A liderança da Associação Trans-Orange da Igreja, juntamente com o Pastor Mpho Rantsoabe, identificaram “pontos quentes” na área de Joanesburgo para efeito de resposta e intervenção. Também estamos tentando mobilizar o apoio da ADRA Internacional, através do Escritório Regional da ADRA na África, para que possamos aumentar nosso alcance”.

Uma crise desumana desta magnitude afeta toda a Igreja a nível mundial e a comunidade internacional. Todas as igrejas adventistas do sétimo dia locais são convidadas a intensificar os seus esforços com a    ADRA África do Sul e MOWCS África do Sul, o governo e outras organizações confessionais para aliviar o sofrimento resultante desses perversos atos de violência.

Apelamos também a todos os afetados a cooperarem com os órgãos governamentais, como a polícia e o Departamento de Assuntos Internos, de modo a que esses autores da violência possam ser levados à justiça.

Todos nós, cada um, independentemente da nossa nacionalidade, cor ou credo somos criados à imagem de Deus (Colossenses 1:15) e levamos a questão da dignidade humana muito a sério. Isso nos constrange a tratar uns aos outros como irmãos e irmãs, e um dano a alguém afeta a todos nós. O tecido coletivo da África do Sul é diversificado e dinâmico e deve ser preservado a todo custo, sem violência ou derramamento de sangue. A dignidade humana eleva cada pessoa que encontramos ao status de uma pessoa  com valor infinito, que deve ser respeitada, amada e honrada.

A Biblia ordena e nos condiciona a como devemos tratar uns aos outros a Bíblia: “E quando o estrangeiro peregrinar convosco na vossa terra, não o oprimireis. Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-ás como a ti mesmo, pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus”. -- Levítico 19:33, 34.

Que Deus nos ajude a renunciar a todas as formas de violência, coerção e violação das consciência e integridade física e emocional das pessoas. Que Ele nos conceda força para abraçar a paz em todas as suas dimensões. Que Ele nos dê a determinação de defender a dignidade de cada pessoa. Que também crie em nós a vontade e a paixão de trabalhar pela liberdade de todos, até aquele que Ele venha.