Adventist News Network®

The official news service of the Seventh-day Adventist world church

DEPOIS DE DÉCADAS DE ORAÇÃO, OS ADVENTISTAS DEDICAM IGREJA ULTRAMODERNA EM CUBA

Financiadas por doações privadas, as instalações estão sendo usadas para reuniões evangelísticas desde o primeiro dia.

DEPOIS DE DÉCADAS DE ORAÇÃO, OS ADVENTISTAS DEDICAM IGREJA ULTRAMODERNA EM CUBA

Mais de 1.200 pessoas celebraram a inauguração da Igreja Adventista do Sétimo Dia Cárdenas em Cárdenas, em Matanzas, Cuba, em 22 de abril. [Foto: Marcos Paseggi]

Financiadas por doações privadas, as instalações estão sendo usadas para reuniões evangelísticas desde o primeiro dia.


Anos de oração fervorosa chegaram a um final feliz para os 200 membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia Cárdenas em Cárdenas, Matanzas, Cuba, ao dedicarem um novo templo numa cerimônia especial em 22 de abril. 

Mais de 1.200 líderes de igrejas, membros, representantes do governo e convidados de toda a ilha e de outros países reuniram-se para um programa especial de dedicação de três horas das novas instalações que incluiu música edificante, testemunhos inspiradores e um batismo. 

O projeto Cárdenas foi totalmente financiado pela Maranatha Volunteers International, um ministério de apoio da Igreja Adventista do Sétimo Dia com presença mundial. O seu presidente, Don Noble, disse estar feliz em relatar que desde 1994, a Maranatha completou mais de 200 projetos em Cuba, incluindo a construção do Seminário Teológico Adventista de Cuba, perto de Havana. “Temos uma relação de trabalho especial com Cuba”, disse Noble. 

“Quando Maranatha chegou em Cuba, nós preparamos uma lista de mais de 100 projetos de remodelação e construção na ilha, mas Cárdenas não fazia parte da lista original”, disse Daniel Fontaine, então presidente da Igreja Adventista em Cuba e agora assistente do presidente da região Interamericana da Igreja. “Deus, no entanto, sabia que o tempo chegaria para Cárdenas”. 

Oficiais do governo nacional, provincial e local participaram do culto de dedicação da nova igreja local, o maior projeto de construção em Cárdenas—uma cidade localizada a 150 quilômetros a leste de Havana—em mais de 50 anos. Oficiais assistiram à celebração deste marco importante na história não só da Igreja Adventista, mas também da liberdade religiosa em Cuba.

“Estou feliz por vocês agora poderem desfrutar de um novo templo maior e mais belo”, disse Sonia García García, subsecretária de Assuntos Religiosos de Cuba. “Tenho prazer em vê-los tão felizes”. García, que disse que o seu escritório está se empenhando para tornar os cubanos mais livres e felizes, reiterou o compromisso de seu governo de apoiar o trabalho dos adventistas do sétimo dia na ilha. “As portas do meu escritório estão abertas”, disse ela. “Podem contar conosco para promover e apoiar o trabalho que realizam”. 

O presidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Cuba Aldo Pérez agradeceu o apoio do governo cubano. “Este novo edifício é uma prova viva da liberdade religiosa que desfrutamos em Cuba”, disse Pérez. Ele deixou claro que os adventistas do sétimo dia estão ansiosos por trabalhar em prol do bem-estar e da unidade da sociedade cubana. “Precisam saber que os adventistas estão ansiosos em dar uma contribuição positiva para a nossa maravilhosa ilha”, disse ele. 

Uma longa história de amor com Cuba

As novas instalações levam o nome de Melvin e Barbara Sickler, um casal americano que atuou no Colégio Adventista Antilhano de 1950-1956. Seu filho, Donald Sickler, que passou parte de sua infância e adolescência em Cuba, participou da cerimônia com a esposa e filhos adultos. “É com grande emoção que eu estou aqui hoje como parte do grupo [Maranatha]”, disse Sickler pouco antes de descerrar uma placa em homenagem a seus pais.

Alguns anos atrás, Sickler, um neurocirurgião aposentado que vive agora nos Estados Unidos, tinha apelado à Maranatha para oferecer o seu apoio financeiro para um projeto em Cárdenas. Na época, no entanto, a organização sem fins lucrativos, conhecida por construir e remodelar igrejas e escolas, bem como perfurar poços de água em todo o mundo, tinha acabado de concluir alguns projetos e estava pronta para sair de Cuba. 

“Durante anos Maranatha tinha tentado obter as várias autorizações para construir uma igreja em Cárdenas, mas sem sucesso”, disse Sickler em entrevista para a ‘Revista Adventista’ à margem do evento. “Então, quando liguei, eles me disseram: ‘É tarde demais; Nós estamos saindo de Cuba’”. Alguns meses mais tarde, no entanto, Sickler recebeu uma inesperada chamada do presidente de Maranatha, Don Noble. “Preparem-se; nós vamos para Cuba!”, ele anunciou. 

Sickler, Noble e outros voaram para Cuba, e poucos dias depois souberam que a autorização definitiva havia sido concedida. “Foi uma viagem para cima e para baixo, com obstáculos e complicações”, disse Pérez ao traçar a história do projeto. “Mas em Sua sabedoria, Deus escolheu o tempo certo para a igreja ser construída em Cárdenas”.

Ovos, Tomates e Oração

Na verdade, o projeto Cárdenas tinha estado na mente dos membros da igreja e líderes durante décadas. Anos atrás, a primeira dúzia de membros adventistas em Cárdenas começou a orar, pedindo a Deus que lhes desse um novo templo. O edifício decadente do tamanho de uma garagem era um feio local no bairro. “As pessoas passavam pelo prédio e atiravam-nos ovos”, contou Ismelia Aballi Segundo. “E quando ovos não eram fáceis de obter, lançavam tomates”. 

Segundo, que viaja 90 minutos de ônibus todos os sábados para chegar à “sua” igreja, como ela chama, lembrou como os adventistas eram zombados e desprezados. “Numa época em que era moda que as meninas usassem minissaias, sabiam quem de nós estava indo para a igreja porque éramos as únicas que usavam saias mais longas, ela recordou. “Assim tivemos que tolerar todo tipo de abuso”. 

Apesar disso tudo, a congregação cresceu e logo ficaram sem espaço. “Sob chuva ou sol, as pessoas acompanhavam os cultos de fora”, disse Hilia Villafranca, membro da Igreja de Piñar del Río, que conheceu o antigo edifício da igreja no passado e agora viajou mais de cinco horas para estar presente na dedicação. “Quando vinham visitantes, os membros davam-lhes seus assentos e iam assistir de fora”. Foi naquela época que os membros começaram a orar por um novo edifício da igreja. Entre eles estavam María e sua filha Maritza Cevallos Piedra, que fizeram seu projeto espiritual pessoal interceder junto a Deus pela igreja de Cárdenas. “Mamãe orava e orava”, disse Maritza. “Ela orou tanto e tanto que desenvolveu até calos nos joelhos”.

Maritza e María, que agora tem 95 anos, estiveram presentes na dedicação para ver em primeira mão a resposta às suas orações. Durante anos, parecia que não estava no plano de Deus conceder o desejo dos membros. Mas os membros nunca deixaram de orar. Entre aqueles que imploravam a Deus, os membros se lembram com carinho de uma menina de 10 anos, que começava as suas orações dizendo: “Deus, eu Te agradeço pela nova igreja que Tu vais nos dar”. O Senhor finalmente determinou que o tempo para Cárdenas havia chegado. “Não tenham dúvidas, foi iniciativa de Deus construir esta igreja”, disse Pérez. “Esta é a própria ação de Deus”. 

 As Novas Instalações 

Maranata, que passou vários anos no projeto, contratou voluntários internacionais e trabalhadores locais para construir a igreja. Um deles é Lázaro Leal, um diácono da igreja de Cárdenas convertido em empreiteiro de construção. “Conheço bem cada parede deste edifício”, disse Leal radiante, ao reconhecer que, antes de ser contratado para trabalhar no projeto, sua experiência em construção era bastante limitada. “Eu revivi a experiência do povo de Deus que construiu o muro de Jerusalém”, disse ele, referindo-se à história registrada no livro de Neemias na Bíblia. “Contra todas as probabilidades, fiz o meu melhor, e Deus cuidou do resto”.

O novo santuário, que tem capacidade para 500 pessoas e conta com um segundo andar conectado por telas de TV de circuito fechado com capacidade para várias centenas, é agora um dos maiores edifícios da Igreja Adventista em Cuba. As novas instalações também incluem uma cozinha no andar de cima, um sistema audiovisual de última geração e um batistério artisticamente ornamentado onde dois novos membros foram batizados como parte da cerimônia de dedicação: “Este será um lugar para encontrar Deus Todas as semanas”, disse Pérez durante sua mensagem especial de dedicação. “Vamos fazer deste lugar um lugar de paz, de esperança, de adoração. Vamos vir aqui todos os sábados para dar a Deus glória”.

A Igreja Adventista em Cuba também planeja usar as instalações para convocações especiais da Igreja. “Este edifício será o nosso ponto de encontro, o nosso centro para os obreiros da Igreja e reuniões de membros e atividades na ilha”, disse Pérez. 

Ingressos Para Reuniões Evangelísticas 

Líderes e membros locais deixaram claro, porém, que o seu objetivo não é manter o novo edifício para si mesmos, mas usá-lo como uma ferramenta para evangelização. “Este edifício deve ser compartilhado”, disse Pérez. “Vamos compartilhar este edifício da igreja com outras denominações cristãs. Vamos compartilhá-lo com a comunidade. Vamos compartilhá-lo com nossos irmãos e irmãs em toda a ilha”. 

Membros e líderes da igreja estão garantindo ser este o caso ao planejarem uma série evangelística, lançada apenas algumas horas após o culto de dedicação. Quando as reuniões foram anunciadas há algumas semanas, no entanto, eles obtiveram uma resposta tão positiva que os organizadores foram forçados a oferecer ingressos numerados para o evento. “Os ingressos são gratuitos”, disseram os organizadores, “mas são necessários. Um lugar para se sentar”.

Don Kirkman, o arquiteto por trás de muitos projetos de construção Maranatha em Cuba e em todo o mundo, disse que, embora emocionante, estes desenvolvimentos não são incomuns. “Maranatha é uma poderosa ferramenta de missão”, disse ele. “Depois de dedicar um projeto e sair, o número de membros normalmente duplica. “Os membros de Cárdenas não querem ser uma exceção. Na verdade, cada membro que foi indagado por ‘Adventist Review’ como se sentia sobre o novo edifício respondia em palavras quase idênticas. “Estamos felizes porque é um sonho tornado realidade”, diziam, embora instantaneamente acrescentassem: “Agora é nosso desafio e dever enchê-lo o mais rapidamente possível”. Leal concorda. Quando indagado sobre o que vai fazer agora que o projeto acabou, ele deu um grande sorriso. “De agora em diante serei um pescador de homens, respondeu.